A FAVORITA: filme consagra Yorgos Lanthimos e três excelentes atrizes

22 fev | 2 minutos de leitura

Confira a nossa crítica sem spoilers

Filmes 2019 - A Favorita

Após o sucesso de O Lagosta, Yorgos Lanthimos precisava comprovar para Hollywood que era capaz de comandar produções mais grandiosas. E isso veio com A Favorita. Ao lado de três excelentes atrizes, Yorgos Lanthimos fez um filme grandioso sobre poder e relações humanas, garantindo dez indicações ao Oscar 2019.

A Favorita é focada no relacionamento da Rainha Anne com Abigail e Sarah, duas mulheres cheias de interesse que utilizam os recursos mais sórdidos para conquistarem a confiança da Rainha e, consequentemente, benefícios envolvendo o poder da realeza. A protagonista Olivia Colman tem uma atuação fantástica, extremamente adequada aos dramas de Anne. O mesmo serve para as coadjuvantes Emma Stone e Rachel Weisz, que conseguem despertar os sentimentos mais distintos no público. Não por acaso, as três foram indicadas ao Oscar, fortalecendo a ideia de que elas representam a alma do filme.

No entanto, a produção é bem mais do que boas atuações. O roteiro possui boas reviravoltas e conta com um desenvolvimento satisfatório de personagens, o que permite uma aproximação maior de quem está assistindo com a história. Em alguns momentos, temos a impressão de que já vimos filmes semelhantes, mas isso não estraga a experiência, especialmente se falarmos do visual.

A fotografia é impressionante e abusa de planos diferentes, com os quais passamos a entender ainda mais a realidade solitária da Rainha e o tamanho do palácio. Lanthimos fez questão de utilizar lentes que mostrassem a altura do teto e aumentassem nossa noção de profundidade. A utilização da luz, em geral, foi muito bem feita. Algumas sequências contam com pouco luminosidade e as luzes de vela chamam a atenção, enquanto em outras passagens temos ambientes mais claros, que reforçam a melancolia britânica através do céu cinza e das vegetações imponentes.

Da mesma forma, A Favorita se destaca pelo Design de Produção e pelo figurino, dois elementos fundamentais na concepção de um filme de época. Todas as roupas e todos os itens do palácio foram planejados com muito cuidado, e o resultado foi digno de prêmios. Por sinal, cada detalhe do filme foi pensado, nos mais variados pontos. Até a música de Elton John utilizada nos créditos dialoga com a narrativa.

Ou seja, a direção de Yorgos Lanthimos merece elogios e aplausos. A Favorita não apresenta muitas inovações, mas consegue se sair bem em todos os campos que envolvem um filme, oferecendo para os espectadores uma obra de muita qualidade e cheia de margens para interpretações e teorias. Vale cada centavo do ingresso.

 

Nota: 4,5/5